Frases de Santos

Homilia › 18/03/2020

Obedientes a Palavra do Senhor

Primeira Leitura (Dt 4,1.5-9); Salmo Responsorial (Sl 147); Evangelho (Mt 5,17-19)

 

O fio condutor da liturgia da palavra de hoje são as leis e os ensinamentos de Deus. Estes preceitos e leis nos possibilitam trilhar o caminho de perfeição e sempre estarmos em sintonia com Deus. São elas que nos trazem a verdadeira liberdade e felicidade.

O ser humano é o eterno peregrino da liberdade e da felicidade. Mas infelizmente, muitos acabam interpretando mal essa tal de liberdade, confundido felicidade com prazeres mundanos, se tornando escravo do pecado. Por isso, Jesus deu uma preciosa orientação aos seus discípulos: “Se permanecerdes em minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos, e conhecereis a verdade, e a verdade vos tornara livres” (Jo 8, 31-32). Com isso podemos afirmar que para alcançarmos a verdadeira liberdade e felicidade é preciso escutar e colocar em pratica a de Deus. Não podemos ficar na superficialidade da palavra de Deus, é preciso mergulhar, se aprofundar, ou seja, o encontro profundo com a Palavra Deus e a obediência à mesma levam-nos à verdade do amor, à liberdade, à felicidade.  O encontro com a Palavra de Deus é encontro com Jesus, que é caminho, verdade e vida…

A palavra de deus é imutável. Jesus aperfeiçoa e reafirma o decálogo de Moisés, declara que: “Nem uma só letra ou virgula serão tiradas da lei, sem que tudo se cumpra”. (Mt 5, 18). Jesus nos ensina o novo espirito da lei, espirito de amor e de interioridade, mas a lei, permanece imutável em seus elementos essenciais, enquanto expressão da imutável vontade de Deus.  “quem desobedecer a um só desses mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus. Porém, quem os praticar e ensinar será grande no reino dos céus” (Mt 5, 19). Precisamos entender que grande não é aquele que se afasta de Deus, mas sim aquele que cumpre a sua vontade. Ao aderir a vontade de Deus, o homem torna-se participante da santidade, bondade, sabedoria divina.

Alguns féis de forma espontânea para viver uma vida em continua comunhão com a vontade de Deus e com o próprio Deus, de forma livre e espontânea, em uma entrega de consagração de suas vontades, se ligam a ele. Assim os religiosos fazem o voto de obediência… a doação plena da própria vontade, como sacrifício de si mesmo. Isso no dia a dia exige continua renúncia da própria vontade, não forcada, mas querida e oferecida livremente a Deus.

São Joao da Cruz nos ensina que: “Deus dá-se mais a quem tem mais amor, isto é, a quem tem a vontade mais conforme com a do Criador”. A observância generosa é o caminho mais breve e seguro pata chegar a esta bendita conformidade.

A vontade de Deus, em relação ao homem, é sempre vontade de Salvação; Deus quer que todos sejam salvos (Cf, 1Tm 2,4). Pois, se unir à vontade de Deus é unir-se a sua vontade salvífica, é entrar no plano divino para a salvação do mundo.

A missão de cada batizado consiste em na obediência, vivencia e na propagação dos ensinamentos de Deus. Jesus não veio para mudar a lei, mas mostrar que suas reais motivações, os seus verdadeiros valores. Que nesta quaresma de forma mais intensa possamos rever como anda a nossa vivencia dos ensinamentos de Deus. Será que eles são baseados no amor ou puro cumprimento de preceitos? Será que nossas praticas religiosas são apenas aparências, desencarnada?

Busquemos a perfeição cristã. A intimidade com Deus e a obediência aos seus ensinamentos…

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.