Frases de Santos

Formação › 02/09/2020

Manifestação do amor de Deus por meio da criação

O conceito de criação é um conceito bíblico, pois este conceito “exprime o ato pelo qual Deus é a causa livre e plena de amor de um universo essencialmente bom e harmonioso, tirado do nada e posto à disposição do homem; um ato que inaugura o tempo da história”[1].

Deus criou o mundo e fez todas as coisas pelo seu próprio saber e querer[2]. Logo no início do Pentateuco podemos ver a narração da criação, pois, no Princípio, Deus criou o céu e a terra (Cf. Gn 1,1). Deus criou o mundo do nada, onde rompeu o silencio com sua palavra criadora, com sua Palavra divina deu início a tudo que existe. Sendo que nos primeiros dias criou os elementos da natureza: Luz, água, terra. Nos dias seguintes criou os luminares celestes, estrelas, os mares e animais marinhos, as aves do céu, e os animais domésticos, serpentes e feras. Pode se dizer que o sexto dia foi o mais solene onde Deus coroa sua obra criadora com a criação do homem a sua imagem e semelhança, constituindo-o senhor da criação[3].

Por meio de sua palavra Deus criou o homem, ordenando da seguinte forma: “‘Façamos o homem à nossa imagem, como nossa semelhança, e que eles dominem sobre os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todas as feras e todos os repteis que rastejam sobre a terra’. Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou… (Gn 1,26-27)”. A partir desta narrativa de Gênesis percebemos que o homem é a imagem e semelhança de Deus, uma representação visível de Deus aqui na terra, mas, ao mesmo tempo é diferente de Deus, o homem não é Deus[4].

Tudo que se fez e se faz pela vontade de Deus Permanece sob seus cuidados que ordenam e preservam. Deus age de modo criador, separando a luz das trevas e a terra seca do mar, colocando ordem em tudo e assim possibilita um convívio pacífico entre humanidade, mundo animal e a natureza[5].

Podemos notar no relato da criação que Deus ao criar todas as coisas, ao longo da criação Ele vai criando condições que garantem o desenvolvimento da vida humana. Olhando para toda criação podemos notar que somente o homem foi criado a Imagem e semelhança de Deus[6].

A criação foi inaugurada pela palavra de Deus e o que Ele diz é criado. A criação acontece pela Palavra. Portanto, conclui-se que a criação vem da livre vontade e decisão de Deus e a criação não é uma necessidade e nem um mero acaso. Pois a palavra tem o sentido de uma relação, dirigir-se a algum. Por ser criada pela palavra, logo a criação ganha o sentido ou a possibilidade de estar numa relação de comunicação com seu criador[7]. Existe um diálogo entre o criador e a criatura, pois toda criação foi criada pelo verbo. SUSIN afirma que “unindo o Genesis com o Evangelho, somos criação da Palavra – creatio de verbo –, e o evangelista João, no prologo, ao imitar o poema da criação, lembra que: No princípio era a Palavra, e a palavra estava junto de Deus (…) tudo foi feito por ela, e sem ela nada foi feito. Nela havia vida, e a vida era a luz dos homens. (Jo 1,1-4)”[8].

A criação é obra comum da Santíssima Trindade, tudo foi criado por meio do Verbo, o Filho bem-amado de Deus. O Espírito Santo, pela fé da Igreja, é o “doador de vida”, o Espírito criador, Fonte do Bem[9].

Insinuada no Antigo Testamento, revelada na Nova Aliança, a ação criadora do Filho e do Espírito, inseparavelmente uma com o Pai, é claramente afirmada pela regra da fé da Igreja: “Só existe um Deus…: ele é o Pai, é Deus, é o Criador, é o Autor, é o Ordenador. Ele fez todas as coisas por si mesmo, isto é, pelo seu Verbo e Sabedoria”, pelo Filho e pelo Espírito”, que são como “suas mãos”. A Criação é obra comum da Santíssima Trindade[10].

 

DURRWELL também afirma que a criação é obra do Deus uno e Trino. “Deus cria o mundo gerando o Filho, cria-o no Espírito Santo, porque o Espírito Santo é o poder generante do Pai”[11]. São Paulo em sua carta aos Romanos fala deste amor que gera, ao se referir ao Espírito Santo que nos foi dado. (Cf. Rm 5,5).

O amor abre Deus para a geração do Filho; no amor que tem ao Filho, ele cria o mundo. Santo Tomás de Aquino diz magnificamente: “Abertas suas mãos pela chave do amor, saíram as criaturas”.

Nascida do amor do Pai, a criação é filial e semeada de sementes de amor. […] Deus, em sua permanente ação criadora, não cessa de infundir no mundo a energia cósmica do amor, para que a criação possa subsistir[12].

 

A criação é fruto do amor de Deus, pois, o mundo não é um produto de uma necessidade qualquer, ou muito menos, de um proceder do acaso. A criação procede da vontade livre de Deus[13]. Podemos concluir que Deus não precisa de nada existente para criar, ou seja, Deus cria livremente do nada.

O mundo foi criado livremente por Deus, portanto, nada o obrigou, Deus Criou tudo em sua liberdade, “Aquele que em absoluto não precisa de nós, aquele que para si sua própria riqueza outorgou gratuitamente o ser ao mundo, por pura prodigalidade… em Deus, liberdade e liberalidade se identificam; como nota BRUNNER, ‘sua liberdade conicidade com seu amor’”[14].

Precisamos compreender que o fato da criação ter sido pela palavra já implica o fato de que Deus cria sem resistência[15]. Deus cria por pura liberdade, cria chamando para a aliança, portanto, o ato criador de Deus se torna o primeiro passo na história de salvação, de forma livre e gratuita de Deus. Nada o obrigou a criar.

 

Padre Leandro Paulo do Couto

Comunidade Canção Nova

 

Leia Também:

 

1º – Liturgia: Mistério Pascal na história da salvação

 

___________________

[1] Luis F. LADARIA, A criação do céu e da Terra, in Bernard SESBOÜÉ; Joseph WOLINSKI, História dos Dogmas: O Homem e sua Salvação, 2013, p. 35. (Tomo 1).

[2] CF. Helio Corrêa da COSTA, A Trindade, 2007, p. 59.

[3] Cf. José H. Prado FLORES, História da Salvação: Nossa própria história, p. 15.

[4] Cf. Ibidem.

[5] Dorothea SATTER; Theodor SCHNEIDER, Doutrina da Criação, in Theodor SCHNEIDER, Manual de Dogmática, 2001, p.145. (v. 1).

[6] Cf. Adelar BARUFFI, Teologia da Criação do Ser Humano, in Paróquia São Peregrino, Disponível em <http://www.saopelegrino.com. br/documentos/teologia_criacao.pdf> Acesso em 11 de abril de 2015.

[7] Cf. Luiz Carlos SUSIN, A Criação de Deus: Deus e Criação, 2010, p. 52.

[8] Ibidem.

[9] Cf. CAT n. 291.

[10] CAT n. 291-292.

[11] François-Xavier DURRWELL, O Pai: Deus em seu Mistério, 1990 p.106.

[12] Ibidem.

[13] Cf. CAT n. 295.

[14] Juan L. Ruiz de La PENA, Teologia da Criação, 1989, p. 117-118.

[15] Cf. Ibidem.

 

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.