Frases de Santos

Notícias › 01/06/2020

Dom Pizzaballa: como os discípulos no Cenáculo, não devemos voltar à vida de antes

Administrador apostólico do Patriacardo Latino de Jerusalém, dom frei Pierbattista Pizzaballa

Assim como o encontro dos discípulos com o Ressuscitado “não os reconduziu à vida precedente que eles tinham, mas “os fez passar a uma perspectiva completamente nova”, do mesmo modo hoje o Espírito pede à Igreja de Jerusalém “para entrar numa nova perspectiva. Não para procurar voltar à mesma vida de antes”: afirma o administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, o arcebispo dom frei Pierbattista Pizzaballa

 

 

“Devemos aceitar a ideia de um retorno muito gradual e não uniforme (…) Provavelmente devemos também perguntar-nos que tipo de normalidade teremos no futuro. Realmente, ainda será tudo como antes?”

É a reflexão do administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, dom Pierbattista Pizzaballa, O.F.M., que este domingo (31/05) celebrou a solenidade de Pentecostes na Basílica da Dormição da cidade santa.

Não queremos ser a Igreja da lamentação, mas da alegria

Em sua homilia, o prelado ressaltou que será preciso muita paciência para compreender o que fazer e como fazer, recordando que, séculos atrás, também os discípulos estavam assustados, trancados no Cenáculo, mas que o Espírito Santo os transformou.

Dirigindo-se aos cristãos da Terra Santa, o arcebispo foi incisivo: “Somos chamados a testemunhar, de todos os modos possíveis, com as obras e com palavras francas e livres, para além de todo medo, o amor pela vida nesta nossa terra onde, muitas vezes, a vida tem pouco valor e se morre por pouco. Somos convidados a ser alegres, sem lamentar-nos continuamente de tudo. Não queremos ser a Igreja da lamentação, mas da alegria. E a alegria é também a nossa missão”.

Sem desejo sincero de paz não seremos Igreja de Jerusalém

Em seguida, dom Pizzaballa acrescentou: “Enquanto nossas comunidades continuarem se dividindo sobre cada coisa, enquanto não soubermos perder um pouco de nós mesmos para acolher o outro com suas diferenças e também com seus limites, enquanto não nos comprometermos sinceramente em todos os contextos com a unidade – que é o cumprimento da glória de Cristo –, não seremos totalmente críveis quando falarmos de diálogo, encontro, paz e reconciliação. E não seremos Igreja de Jerusalém se não tivermos no coração um desejo sincero de paz”.

O administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém considerou que “durante várias semanas também nós estivemos trancados em nossas casas, em nossos cenáculos. E o medo caracterizou nossa vida durante muito tempo, e talvez não tenhamos saído disso totalmente”.

Igreja de Jerusalém: entrar numa nova perspectiva

E observou que muitas atividades ainda estão paralisadas, “a desorientação pelo ocorrido caracteriza ainda nosso falar” e “as frágeis perspectivas econômicas e sociais do futuro próximo nos preocupam sempre mais”.

Mas assim como o encontro dos discípulos com o Ressuscitado “não os reconduziu à vida precedente que eles tinham, mas “os fez passar a uma perspectiva completamente nova”, do mesmo modo hoje o Espírito pede à Igreja de Jerusalém “para entrar numa nova perspectiva. Não para procurar voltar à mesma vida de antes”.

Escrutar nossos corações e ler os sinais dos tempos

Segundo dom Pizzaballa é preciso deixar-se conquistar pela novidade que o Espírito doa continuamente, por isso exortou:

“Somos convidados a escrutar nossos corações para compreender onde ele nos quer guiar, a ler os sinais dos tempos, a colocar-nos à escuta das instâncias que surgem das nossas várias realidades de vida, a avaliá-las com a oração e à luz da Palavra de Deus.”

Vencer todo medo, toda solidão, repletos de alegria

E prosseguiu precisando que se trata de atravessar  a dramática realidade que estamos vivendo “com o ânimo de quem tem confiança no poder da ressurreição de Cristo e por isso está disposto a entrar em ação novamente a fim de colaborar para construir o Reino, vencendo todo medo, toda solidão, repletos de alegria”.

O arcebispo italiano da Ordem dos Frades Menores ressaltou que o Evangelho nos diz de que coisa e como partir novamente: vida, alegria, missão, perdão, e paz.

Viver no espírito do Ressuscitado e testemunhá-lo sem medo

“O fiel (…) não evita a cruz, que sempre existirá, mas é também conquistado pelo perdão do qual fez experiência”, observou. “Nestes meses fizemos a experiência de que se pode viver também sem muitas das atividades pastorais e sociais que acreditávamos indispensáveis.”

“Talvez agora, ao retomar as atividades, entendemos melhor o que, ao invés, é realmente indispensável: viver no espírito do Ressuscitado e testemunhá-lo sem medo”, concluiu dom Pizzaballa.

(TC/RL)

Via: Vatican News

Tags:

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.