Frases de Santos

Formação › 07/04/2021

A grande tribulação

Senhor declara: “Pois o Filho do Homem virá com seus anjos na glória do seu Pai; e, então, retribuirá a cada um segundo a sua conduta” (Mt 16,27).

Jesus teve uma vida pública e nela anunciou que deveria sofrer muito por parte dos anciãos, dos sumos-sacerdotes e dos escribas, ser morto e no terceiro dia ressuscitar. Assim como a vida pública de Cristo desembocou no julgamento, condenação, paixão, morte e ressurreição, a vida da vai desembocar na mesma situação dolorosa. Jesus não permaneceu na morte: conforme prometeu, ao terceiro dia, ressuscitou glorioso. O mesmo acontecerá com a Igreja: ela está seguindo os passos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Igreja não é algo aéreo e também não se resume ao Papa e aos bispos. Não, a Igreja somos todos nós. O Santo Padre e os bispos são a nossa hierarquia, aqueles que nos governam, mas o corpo da Igreja somos nós. Esta é a Igreja que passará por esse caminho de cruz. Eu sei que isso o atemoriza e o enche de ansiedade, mas é preciso anunciar agora, para que nos momentos difíceis você não perca a fé, a fortaleza e não volte atrás.

Eu sei que você fica receoso e até se pergunta: “Será que isso é doutrina da Igreja?” Está no (CIC) este presente de João Paulo II para nós, Igreja:

“Antes do advento de Cristo, a Igreja deve passar por uma provação final que abalará a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra desvendará o ‘mistério da iniquidade’ sob a forma de uma impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente aos seus problemas, à custa da apostasia da verdade” (CIC, 675).

O próprio Catecismo da Igreja Católica nos alerta para essa realidade dolorosa:
“A Igreja só entrará na glória do Reino através desta Páscoa derradeira em que seguirá seu Senhor na sua Morte e Ressurreição” (CIC, 677).

Acontecerá uma impostura religiosa. O anticristo aparecerá como alguém bom que fará a proposta de ser o governador do mundo inteiro. E apresentará às pessoas a possibilidade de solucionar os grandes problemas que angustiam a humanidade: fome, habitação, desemprego, saúde, desigualdade, entre os povos…

Momentaneamente, o sistema que ele vai querer impor trará solução para os problemas e muitas pessoas vão aplaudi-lo. Terá a arrogância de se mostrar como Deus e se assentar no trono, no meio do Templo, no coração da Igreja, para ser adorado como tal.

A Igreja e o Será dito que o Cristianismo, com a noção de pecado, trouxe às pessoas o sentimento de culpa, especialmente em relação ao sexo. Vai-se acusar a Igreja de, em sua história, ter causado a diferença entre os povos e, por consequência, todo tipo de intolerância, ódio, guerras, miséria. O Cristianismo e a Igreja serão o “bode expiatório”.

É terrível, mas muita gente vai se deixar levar por essa argumentação e achar que realmente o Cristianismo é intolerante, discriminatório e que a noção de pecado foi o que atrapalhou tudo e todos. Deus está nos dando a graça de dizer, antecipadamente, que tudo isso será mentira, a fim de que ninguém caia nessa impostura, da qual nos fala o Catecismo da Igreja Católica:

“[…] A impostura religiosa suprema é a do anticristo, isto é, a de um pseudomessianismo, em que o homem se glorifica a si mesmo em lugar de Deus e do seu Messias que veio na carne” (CIC, 675).

Não sabemos quando, mas temos certeza de que isso vai acontecer e os sinais dos tempos mostram que está próximo! Também não se conhece a maneira como serão transformados este mundo e os nossos corpos, mas serão renovados. Deus prepara para você uma nova morada. Aguente firme!

Trecho do livro

Monsenhor Jonas Abib escreveu “Céus Novos e uma Terra Nova” em 1997

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.