Frases de Santos

Liturgia › 13/05/2020

4° Período do Movimento Litúrgico Clássico

O 4° período se da em 1951 a 1959. Com a Encíclica Mediator Dei tivemos um grande impulso de forma mais visível nos grandes congressos internacionais, dentre os muitos aqui quero citar o grande congresso Mundial de Assis em 1956.

Pio XII lança seu ultimo documento. a Encíclica Musicae sacra disciplina, dedicada à musica sacra. Podemos assim dizer que é um documento que abre um novo discurso à época da reforma eclesial. Logo em seguida temos a instrução da congregação dos Ritos De Musica Sacra et sacra Liturgie.

O movimento litúrgico em crescente expansão, passado pela experiência da guerra, exprime de forma mais evidente o desejo de novas reformas na liturgia, com o intuito de tornar a celebração litúrgica mais clara, mais autêntica, mais significativa. A partir daqui, já não se fala mais em educação para a liturgia, mas sim de reforma da própria liturgia. Com a constituição das Conferencias episcopais se favorece o nascimento e o incremento de centros nacionais de estudo e de promoção pastoral, dirigidos a guiar o movimento litúrgico.

Com a necessidade da reforma geral da liturgia Pio XII em 1947 nomeia uma comissão para a reforma litúrgica (comissão formada de 7 pessoas) limitada ao ambiente da Cúria Romana. As principais realizações desta comissão foram:

 

 

 

 

 

 

Olhando para a história da liturgia neste período temos muitos elementos e com o amadurecimento do ambiente cientifico, pastoral e espiritual, vamos ver de forma mais clara no Concilio Vaticano II com os trabalhos que deram origem a Sacrosactum Conciliulium e com os resultados do Vaticano II podemos afirmar que O movimento litúrgico foi verdadeiramente “uma passagem do espirito Santo pela Igreja” (Pio XII).

Padre Leandro Couto

Comunidade Cancão Nova

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.